terça-feira, 1 de março de 2016

Velasquez Vs Norton de Matos, Ideias totalmente diferentes

Apontamos os nomes, para que seja mais facil identificar, mas que fique claro que se está a falar de ideias, e não de pessoas.

Foi radicalmente diferente a postura dos adversarios de Porto e Benfica nesta jornada, sendo que terminaram os dois com o mesmo resultado, zero pontos.

Mas será que terminam os dois iguais?

O Belenenses tenta jogar longe da sua baliza, e mostra em todos os momentos ser uma equipa activa no jogo. Independentemente de conseguir ou não (com as equipas grandes é normal que não consiga devido as diferencas na qualidade individual dos jogadores), tenta ter iniciativa. E não estamos a falar apenas do que faz quando tem a bola.


Enquanto defende, "conduz" o adversario para espaços em que aumenta a pressão para tentar ganhar a bola. Tenta recuperar a bola longe da sua baliza, mostrando varias linhas de cobertura a pressão.

O Uniao da Madeira, fez 90 do seu jogo na linha da grande area, com todos os jogadores em cerca de 20 metros de profundidade. Era o "campo de minas" mais claustrofobico de que me lembro ver. E defendiam sempre de frente o que quer dizer que nao condicionam a tomada de decisao do portador.

Dando exemplos para tentar explicar melhor o que queremos dizer com isto:

- Se o portador da bola tiver linha de passe a esquerda e a direita, a formar um triangulo com ele, a defesa pode comportar-se de duas maneiras.

A) defende de costas para a sua baliza, impedindo a progressao, mas possibilitando que o portador da bola possa passar para a esquerda ou para a direita

B) Corta uma das linhas de passe, transformando o 3v1 num 2v1

Estas duas solucoes, mesmo nao tentando roubar a bola, sao totalmente diferentes. Uma delas está sempre dependente da escolha de quem tem bola, e a outra escolhe para onde a bola vai. O comportamento "B" mostra ao resto da equipa para onde ae bola vai, e permite actuar em conformidade.

Quando tinham a bola, as ideias eram tambem totalmente diferentes, enquanto o Uniao utilizava poucos jogadores e tentava chegar a baliza do Benfica o mais rapidamente possivel (Claramente trabalhado, e com alguma qualidade), os Belenenses tentam jogar de forma completamente diferente, utilizando todos os jogadores no processo ofensivo e jogando de forma a progredir seguros e sustentados no terreno.

No final, perderam os dois.

Que jogadores saiem mais valorizados? Os que defendem activamente, ou passivamente? Os que jogam tentando dominar o jogo, ou os que atacam o mais rapidamente possivel e com poucos?

Que "jogar" traz mais prazer a quem o joga?

Quem estara mais perto de vencer todos os jogos "do seu campeoanto"?

5 comentários:

Bola Pinheiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
p1nheir8 disse...

Grande artigo, Dennis. :)

"Interessante", foi também a forma como o Tiago Ferreira fazia marcação individual ao Jonas, mesmo muitas vezes largando completamente o corredor central e abrindo ali um enorme espaço, só para a Jonas não receber bola, mesmo que fosse em zonas laterais do terreno.

Abraço.

#N11 disse...

Sou um leitor bastante assíduo do blog, e quero desde já dar-vos os parabéns pela qualidade e pertinência dos artigos. TOP!

Ontem ao ver o jogo do Benfica lembrei-me de vocês, e de como discordariam completamente da ideia de Norton, mesmo que, no final,conseguisse empatar, ou até ganhar o jogo. E é essa forma de como não jogam o "totobola à 2ª feira" que admiro nos vossos artigos.

Quanto ao artigo, acho boa a comparação com a ideia do Belenenses, da qual gostei bastante, já no jogo com o Benfica. Mas, pese embora a diferença de qualidade individual entre Belenenses e Porto seja muito grande, penso que é menor em relação à diferença entre o Benfica e o União. Depois há o facto de o Belenenses jogar em casa, com um adversário que está um pouco em baixo, e o União visitar um adversário no melhor ponto da época (ainda que com várias ausências). Mas, para mim a principal diferença está na experiência entre os jogadores das duas equipas. Quantos jogadores do União foram formados em equipas grandes? Quantos já tinham jogado na primeira liga, ou pelo menos na Europa? Se o União tivesse uma postura mais ofensiva não correria o sério risco de imitar o Setúbal de Azenha (que na altura referiu que só faltou os seus jogadores terem pedido autógrafos em campo)? Como recuperaria Norton a equipa para mais uma final do "seu campeonato" dentro de poucos dias?

Obrigado, continuação de grandes artigos :)

#N11

Ricardo disse...

Em relação à pergunta que fecha o artigo, acho que se responde a si mesma, depois da explicação dada.
E este é um ponto que, para mim, devia ser mais debatido. Nomeadamente: a postura dos "pequenos" perante os "grandes". Independentemente de outras questões, para muitos, algo polémicas (leia-se: o facto de, em jogo jogado, pouco ter realmente evoluído ao longo destes anos), o futebol inglês é uma lição para todos nós. Lá, os "pequenos" não se coíbem de disputar cada grama de terreno, cada jogada e de, inclusive, ir "para cima" da equipa adversária. Essa disponibilidade, a meu ver, a médio prazo, seria benéfica para a Liga. Haja não só mais treinadores abertos a isso (e jogadores também, há que dizê-lo), mas sobretudo dirigentes. Estes últimos, em última análise, é que acabam por impor certas prédeterminações, muitas vezes também em deferência a certos outros poderes. Mas estas últimas palavras são outros quinhentos, para outras ocasiões, que não este blogue.

Rumo Norte disse...

Ontem, a ver o jogo na Luz, dizia isto mesmo. Eu preferia jogar o jogo pelo jogo, do que tentar "salvar" um ponto abdicando do jogo. Com uma nuance. É que o Belenenses, em dois jogos com o Benfica, cito de memória, levou salvo erro com 10 golos e ganhou zero pontos (certo que na primeira mão o treinador era outro, e se calhar por isso mesmo já lá não está). E o União, com Norton de Matos, levou dois golos e ganhou um ponto. É difícil, na perspectiva do treinador, defender que Velasquez, no caso particular do Benfica, esteve melhor. E diria que, com excepção do Tonel, que custou 4 pontos com dois erros frente a Sporting e Porto, é absolutamente claro que 1) o Belenenses tem mais talento que o União 2) o Benfica é hoje melhor equipa que o Porto. Ou seja: a qualidade de jogo do Belenenses, e a sua organização, são superiores; mas isso é causa ou consequência? Um treinador tem que fazer omoletes com os ovos que tem, e de acordo com a frigideira onde os vai cozinhar. Em suma: concordo com o comentário do Denis, mas há mais nestes jogos que apenas isto.