domingo, 3 de abril de 2016

Melhor aposta da semana. Bundesliga.



Grande época do Borussia de Schubert. Uma equipa extremamente atractiva pela primazia que dá ao futebol apoiado desde trás e à pressão intensa sobre portador logo na primeira fase de construção adversária.
Em organização defensiva, coloca pressão nos dois centrais adversários para não deixar jogar e recuperar rápido, procurando monopolizar o jogo em termos de posse.
Em organização ofensiva uma das mais bem trabalhadas. Linhas de passe a todo o redor do portador, uma organização bem definida, mas com mobilidade assinalável. Extremos percebem o momento de receber quando a equipa está a sair na construção, aparecendo dentro, quando interiores arrastam oposição.
O 442 dos momentos defensivos transforma-se em 433 pelo baixar de um elemento para ligar as fases em futebol apoiado. Em transição mostra-se Raffael. O brasileiro é rápido, conduz bem e finaliza. Com espaço desequilibra. Favoritismo, ainda que frente a um Hertha na luta pela presença na liga milionária.



Hertha de Pal Dardái cheio de ideias em todos os momentos. Em organização defensiva com ideias gerais muito próximas das que podemos encontrar no Sporting de Jorge Jesus. Condicionar a primeira fase adversária com dois avançados e um centrocampista que sai da linha de quatro para pressionar nas costas do médio defensivo adversário. Um 442 de linhas juntas, que vira losango quando um dos médios sai para pressionar, fechando ainda mais os alas.
Ofensivamente muita procura pelo jogo interior e pelos espaços entre linhas. Um ponta de lança (Ibisevic) com qualidade a receber e a tocar em quem está de frente já entre linhas, a desequilibrarem em organização. Em transição surge Kalou partindo do corredor direito para o central sempre capaz de quebrar contenção e prosseguir nas zonas centrais de cabeça levantada à procura das rupturas dos colegas.

Muito da classificação brilhante se explica pelas competências colectivas da equipa de Berlim. Individualmente maiores lacunas que deverão ficar expostas perante um adversário com uma dinâmica assinalável.


1 comentário:

PicaretaLeonina disse...

Muito interessante este Hertha, mesmo. É especialmente refrescante de ver quando o atual "modelo" de equipa pequena a ter resultados acima do normal é o Leicester. Isso ajuda a reforçar a ideia, errada diga-se já, de que para uma equipa pequena ter sucesso tem de fazer o que eles fazem, ou seja especular sem bola e jogar sem grandes soluções coletivas para desorganizar o adversário. O Hertha, pelo contrário, é uma equipa extremamente interessante em termos ofensivos, especialmente nas dinâmicas dos 3 médios na 1ª fase de construção(que têm vários posicionamentos em função do contexto, tanto desce o médio-ofensivo(Darida) para perto dos centrais e sobem os outros 2 como desce 1 dos outros dois e o Darida ocupa o espaço dele.

Aliás, recomendo vivamente um artigo do blog alemão Spielverlagerung que analisa de forma extensa esta equipa do Hertha: http://spielverlagerung.com/2016/04/01/hertha-berlin-analysis/