sexta-feira, 17 de junho de 2016

O momento e o menor fulgor de alguns dos melhores da Europa

A evolução do futebol trouxe-nos coisas muito positivas ao nível do jogo, e permitiu que cada vez mais o jogo fosse jogado como é: de forma colectiva. Com esse aumento da qualidade dos jogos, da organização táctica das equipas, aumentou a exigência. A exigência ao nível das capacidades intelectuais, sobretudo. Os espaços reduzidos obrigam a um desgaste muito maior, sobretudo do ponto de vista mental, pela velocidade a que os jogadores são hoje obrigados a jogar. E com essa evolução, e com o aumento do volume de negócio, não há jogadores relevantes em grandes equipas com menos de 50 jogos por ano. Quando no passado as melhores individualidades chegavam quase sempre em boa "forma" às competições internacionais hoje não é bem assim. É bom para o público porque passa o ano entretido com o jogo, mas não tão bom para os jogadores que jogam as fases finais das provas internacionais, não só pelo aumento da exigência de cada jogo em si, mas pelo desgaste acumulado ao longo de uma época muito mais longa.

E não se entenda "forma" como tradicionalmente se pensava nesse conceito. Forma, no sentido do jogador estar em perfeitas condições para render, sobretudo no aspecto mental que é este que mais pesa. É na tomada de decisão, e na capacidade de reacção que mais se nota. Se demora mais um segundo para perceber para onde o lance deve seguir o adversário já fechou, já antecipou, já desarmou. Se perde mais de um segundo a apertar quando perde, o adversário já tirou de lá a bola e a transição ofensiva já saiu. E este desgaste, hoje, é brutalmente superior ao que era no passado. Este aspecto, a condição em que os grandes jogadores chegam a competição, é tão fundamental para o seu desfecho quanto a qualidade de jogo que a equipa apresenta.

Ao olhar para a equipa alemã, percebe-se o desgaste em alguns dos seus jogadores mais importantes e isso pode ser um dado importante para as contas finais. Não só na selecção alemã se nota isto, e também não em todos os jogadores se percebe esse desgaste. Afinal, os jogadores não são todos iguais, e o que se exige deles ao nível de complexidade também é diferente. Logo, esse mesmo desgaste, ainda que exista em dois jogadores, pode perfeitamente passar mais despercebido num do que noutro, numa selecção do que noutra, pelas tarefas não serem tão exigentes. Ter os jogadores em melhor ou pior momento, a sentir mais ou menos o desgaste destas tão longas temporadas, vai ser umas das chaves para o sucesso ou insucesso neste Europeu.

7 comentários:

Marco Correia disse...

Entre outras razões, é por isto que acredito numa surpresa em relação ao vencedor desta competição este ano. Pelo que apresentou em termos de competitividade e acerto defensivo e sagacidade ofensiva, vejo a Itália com capacidade para discutir com qualquer equipa o jogo em noventa e, sobretudo, em cento e vinte minutos. Jogadores mais frescos, o facto de não partir como favorita em duelos com selecções à partida mais fortes e ser francamente melhor orientada do que a maioria das restantes equipas em prova deverá contribuir para que cresçam ainda mais.

Ainda sobre o post, acho importante destacar que a Polónia fez um jogo positivo. Não fechou simplesmente os caminhos para a sua baliza e foi criativa, com as restrições individuais que acaba por ter, no ataque à baliza alemã. A segunda parte acabou por ter melhores oportunidades dos polacos do que propriamente os alemães e não só porque os últimos as concederam, mas porque os primeiros as souberam criar.

Blessing disse...

Marco, "acho importante destacar que a Polónia fez um jogo positivo. Não fechou simplesmente os caminhos para a sua baliza e foi criativa, com as restrições individuais que acaba por ter, no ataque à baliza alemã. A segunda parte acabou por ter melhores oportunidades dos polacos do que propriamente os alemães e não só porque os últimos as concederam, mas porque os primeiros as souberam criar."

Sim, de acordo. E também já tinha gostado da Ukrânia contra a Irlanda. Por isso, não entendo quando dizem que os jogos têm sido todos fracos. Não o acho. Acho até que a média, ou se quisermos a nível geral, têm sido positivos.

Iuri Miguel disse...

Fui o unico a achar a linha defensiva polaca muito bem trabalhada? Impressionou-me a facilidade que em conjunto sabiam quando baixar assim que a bola estava descoberta e/ou algum alemao se preparava para explorar as costas

RS disse...

Blessing, a malta diz que os jogos são fracos porque não há cavalgadas individuais e resultados de 3-2 ou 4-3. :P

Edson Arantes do Nascimento disse...

Os jogos têm sido bem interessantes!

Acho que o Toni Kroos (bom jogador, sem dúvida, a questão não é essa) é o Carlos Martins da Alemanha. Sorry!

Clarence Seedorf disse...

e soube pressionar os defesas alemáes, pra dificultar o início dos processos ofensivos! muita qualidade nestes jogos, de um modo geral..
as pessoas q vao ver a copa américa masé!

cipri disse...

Edson, para ser o Carlos Martins da Alemanha, ao Kroos, falta-lhe o pé canhão, a carequinha e a "atitude em campo" - com ranger de dentes, olhar de mau, calção sujo e todos os demais ingredientes.