terça-feira, 14 de junho de 2016

Pensar fora da caixa

Há cerca de sete anos atrás, num FC Porto x SL Benfica disputado no Algarve, na final da Taça da Liga, surpreendeu o na altura treinador do SL Benfica. Por uma das primeiras vezes rompia com a sua zona defensiva pura e acrescentava uma marcação individual nas bolas paradas. O alvo individual era Bruno Alves, naturalmente. O jogador escolhido para o marcar individualmente... Carlos Martins. Talvez de todos os encarnados o menos capaz de lutar no ar contra o invencível Bruno Alves.

A razão? Se o duelo estava perdido à partida, alguém iria atrapalhar. Mas e porque estaria o duelo perdido havia que não gastar as melhores "balas", guardando-as para uma zona diferente onde se disputaria posteriormente a bola proveniente de Bruno Alves.

Hoje Danilo jogou somente porque no ar poderia fazer frente. Não ganhou uma bola o jogo todo. Perdeu-se uma bola.

Lamentável Cristiano Ronaldo. Não fosse futebol profissional e garantidamente que em um mês não mais colega algum se desmarcaria quando a bola chegasse aos pés do capitão. Um horror.

19 comentários:

Furtivo disse...

O Capitão em campo: Perde o lance, joga-se para o chão e reclama com o árbitro...

Leandro Belmonte disse...

Ronaldo é um dos maiores problemas da selecção. Ele só vê e tem Golo, afastá-lo da zona da baliza para zonas de construcao/criacao é mata-lo a ele e ao jogo de qualquer equipa. Danilo é mais do mesmo, estereótipos a mandar nisto. Aliás, é olhar para a equipa que começou e a que acabou, nada a ver. En sentido contrário, a Espanha muda os jogadores mas o padrao mantem-se. E os Burros sao eles?

Marco Correia disse...

É inacreditável que se tenha sequer dado espaço para se criar o mito que o Danilo algum dia pôde, ou poderá, rivalizar com o William a nível de qualidade. Ofensivamente sobretudo, a diferença é absolutamente avassaladora.

Portugal acaba por empatar o jogo porque o seu treinador é incapaz de ler o jogo e vai jogar o jogo da Islândia, bola alta na área em todas as situações e ignora completamente o jogo interior que tanto João Mário como André Gomes estavam a tentar criar. Em vez de lhes dar ajuda, retira-os de jogo e coloca gente na frente à espera de um ressalto que lhe desse o golo que precisava.

Talvez tenha sido pelo melhor, se o cabeceamento do Ronaldo aos 80 e pouco minutos de jogo tem entrado, talvez tivesse continuado a achar que era esse o caminho. Assim, com um resultado negativo, pode ser que seja capaz de se reinventar.

Em relação ao Ronaldo, tenho de concordar. Ele que deixe a barbaridade de ser o melhor dos últimos vinte anos e se preocupe em jogar futebol. Toda a gente sabe que ele é bom, ele que o demonstre em todos os jogos e deixe que os outros elogiem o seu futebol. Este último livre é elucidativo, o guarda redes islandês já esperava o remate do Ronaldo e encostou-se quase na totalidade à sua direita. Se o Guerreiro tem batido e passa por cima da barreira, dificilmente chegaria lá mesmo que a bola não fosse muito

Unknown disse...

Não desgostei do Cricri na 1ª parte porque bastantes vezes ele quis ajudar na criação e deu linha de passe. Na 2ª já não foi assim.

Robert Robson disse...

Eu gostava que dessem uma oportunidade ao Ronaldo para ele poder imitar o Messi: fazê-lo entrar aos 62 minutos.

Porquê é que André Gomes jogou bem na primeira parte e o João Mário viu-se muito pouco? Na verdade, não vi nenhum médio destacar-se para além do André Gomes. Simplesmente porque a equipa não tem jogo colectivo definido?

João disse...

A primeira parte foi aceitável mas estava bom de ver que o Danilo tinha sido um jogador a menos: perdeu todos os duelos que disputou e não acrescentou ofensivamente. FS também borrou a pintura nas substituições, mais pela saídas do que pelas entradas ao tirar os 3 médios, deixando Danilo, matou o pouco futebol que conseguimos jogar.

Ronaldo foi inqualificável. Demasiado preocupado em mostrar que é o maior, fosse FS um treinador a sério e no próximo jogo Ronaldo ia para o banco. Todas as bolas nas imediações da área que estivessem nos pés dele acabavam em remate, mesmo que houvesse gente no caminho e tendo possibilidade de dar sequência ao jogo.

FCS disse...

Repito a pergunta porque talvez aqui seja o post mais indicado.

Qual é o papel de um treinador que assiste de forma repetida um jogador - por melhor que seja - a tentar marcar livres a 40 ou 50 metros?

MM disse...

"Lamentável Cristiano Ronaldo. Não fosse futebol profissional e garantidamente que em um mês não mais colega algum se desmarcaria quando a bola chegasse aos pés do capitão. Um horror."

Maldini,

E os jogos em que faz 2 ou 3 golos não são muito diferentes deste. Isto nem com João Pinto ou Rui Costa compara, quanto mais Messi. A bem do torneio espero bem que a Áustria não fique já pelo caminho.

Pedro disse...

O André Gomes espalha classe. Nani esteve bem. São Patrício. Fernando Santos e a táctica da "carne toda no assador", está bonito está. Já falaram do Danilo, subscrevo.

Abr,
Pedro

João Mendes disse...

Não concordo com Renato ao lado de Moutinho, Moutinho é o único que tem critério na pressão e o único que o faz no último terço do campo, Renato está a anos luz dele e com Ronaldo a fazer o que lhe apetece a equipa ainda teria muitas mais dificuldades a recuperar bolas. Parece—me que faria mais sentido ter Adrien na posição do Danilo.

A quebra física de André Gomes foi ainda pior para a seleção, era o mais esclarecido e com mais critério a entrar no bloco.

O golo sofrido é tão ridículo e com tantos erros primários que é quase impossível aceitar que aconteça numa competição deste nível.

moskow disse...

o Adrien nem sequer devia tar em França quanto mais...

() disse...

Gostei muito do Guerreiro. No Dortmund tem tudo para ficar um super jogador. Fiquei surpreendido com tantos jogadores a rebentar fisicamente. Deve ser do fim de época, mas se tivermos de ir a um prolongamento ou tivermos espanhóis ou alemães a jogarem à rabia connosco vai ser um martírio. O Danilo, pese embora os célebres tijolos que tem no lugar dos pés, fez dos piores jogos que me lembro a nível ofensivo. Parecia um flashback do mundial de sub 20. No Marítimo tinha evoluído bastante, mas um ano no Porto a jogar sem pressão na primeira fase de construção fez-lhe mal. Ronaldo era metê-lo bem longe da construção, à la Ibrahimovic. No euro 2004 o Scolari teve coragem de mudar o 11 e meter consagrados no banco. Falta meter o Cedric, o William e o Rafa. Saíam Vieirinha, Danilo e Gomes. Abaixo o 442 nos jogos em que a bola é nossa. Só contra França, Alemanha e Espanha é que tirava o Rafa para meter o Gomes.

Baresi disse...

Moutinho uma nulidade.
Qual é o medo de lançar um miudo de 18 anos no seu lugar?
Isto é a seleccao, e acho que têm de jogar os melhores.

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

Renato ? Acrescentou algums coisa ao jogo?
Se o jogo era basicamente bolas aéreas...
E não falo da Islândia!

R.B. NorTør disse...

Não achei que Vieirinha estivesse mal, mesmo ficando um bocado tremido na fotografia do golo (na minha óptica Pepe a bailarina fica bem pior, mas fui o único lá da esplanada a interpretar assim a coisa). Não vejo que o Cedric ontem conseguisse dar muito mais.

Moutinho foi uma nulidade, mas como se diz ali, Danilo foi bem menos. Num jogo como o de ontem seria assim tão descabido tirar Danilo ao minuto 51 e meter Renato/Adrien/WC? (Já para não dizer de início...)

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

Vieirinha foi ULTRAPASSADO EM VÁRIOS LANCES....
Mas vamos todos focar-nos no Danilo!

Ó analistas...e a notícia da Lombalgia do Danilo?
Explica alguma coisa? Videntes...

R.B. NorTør disse...

Lombalgia neuronal só se for...

B. Jardim disse...

O que acharam da transição defensiva de Portugal?

Pedro Almeida disse...

Sugerir tirar o André Gomes que era o único médio que com bola tentava algo mais que o passe para quem estava mais perto...