terça-feira, 5 de julho de 2016

"Em Portugal tem-se andado a estragar talentos" ou a forMATAR.

As citações são de frases de Francisco Silveira Ramos, uma das personalidades que mais nos ensina sobre futebol e formação em Portugal, e reportam-nos para textos recentes como o da importância do atrevimento dos miúdos e outras dificuldades na formação em Portugal, tão abordadas por aqui antes.

"Há muitos jogadores que nestas idades evidenciam já algumas características que nos parece que vão ser potenciadas para jogadores de alto rendimento. Mas às vezes enganamo-nos. Ou porque as condições morfológicas dele não foram favoráveis, ou porque faltou motivação, ou porque o enquadramento não foi tão potenciador...»

"Não podemos querer ter jogadores de futebol aos 10, 11, 12, 13 anos de idade. Temos jogadores de futebol aos 20 anos. Nesta idade são só jogadores da bola. Se quisermos queimar etapas e introduzir táticas muito sofisticadas, reduzir a participação individual dos miúdos, podemos estragar este talento».

"O que caracteriza os jogadores de topo nesta idade é ter uma grande expressão individual. O que se tem passado em Portugal é termos os jogadores muito formatados. Alguém é responsável por isso. Temos jogadores muito amarrados a processos muito rígidos. Se nesta idade não são todos iguais e daqui a 5 anos forem, há algo errado neste processo»

«Andam todos à procura de jogadores inventivos, criativos, com capacidade de improvisação. Nós temos esse jogadores em Portugal, não os podemos estragar. Não podemos castrar essas competências individuais, sobretudo do domínio ofensivo, e transformá-los todos em peças de uma máquina. O futebol é um jogo coletivo, mas é feito de individualidades e temos até que fomentar essas individualidades"

"Muitas vezes deixam-se embalar e têm a tendência de ver no filho um futuro praticante de elite. Mas os miúdos nesta idade têm é que ser felizes a jogar, têm que viver as fantasias do jogo. Os pais que não estejam a criar-lhes pressão adicional porque não ajudam nada"

E por fim... a citação de um ex profissional do Sporting

"O problema mesmo...são os livros e os cursos... Há muitos "treinadores" de livros... e dos cursos... que aplicam os seus métodos a pensarem que estão no City ou na Juve... E depois não deixam evoluir os miúdos e nem o básico lhes transmitem..."

1 comentário:

Jorge disse...

Essas criticas tambem sao validas no ensino escolar, o papel do professor e o de incentivar, auxiliar e por vezes catalizar o crescimento do aluno, mas muitas vezes ha a tendencia para queimar etapas e criar um crescimento ficticio. O aluno que sabe resolver os problemas de matematica mas nao percebe a matematica que esta a usar. Essa parte tem a ver com a forma como o professor/treinador intervem.
Por outro lado ha o aspecto da criatividade e como se diz "you cannot teach creativity, but you can quelch it." Para que os miudos desenvolvam este aspecto e muito importante, na minha opiniao, que haja actividades sem qualquer supervisao dos treinadores, o que acontece no jogo de rua mas pode acontecer no campo de treino ou de jogo. Deem a bola aos miudos e deixem-nos fazer o que quiserem longe dos olhos dos treinadores, ja que a presenca de qualquer "autoridade" pode inibir os miudos.