quinta-feira, 7 de julho de 2016

Pré época. Conteúdos. Um exemplo.


Cada equipa é uma equipa. Cada qual tem um contexto diferente. Pelo que o presente post é apenas um exemplo sem qualquer validade para além daquela a que os objectivos poderiam serão aplicados. 

Enquanto preparava algumas coisas para o iniciar da época, relembrava as palavras de alguns brasileiros do Shakthar, surpreendidos com o trabalho táctico desde o primeiro dia. O trabalho tendo em vista chegar o quanto antes a um modelo de jogo. Sentindo como tal interessante o partilhar daquilo que é ainda apenas um esboço de algumas linhas que poderiam orientar os primeiros tempos numa nova época.

1a prioridade. Organização defensiva da linha média com saídas rápidas após recuperação.

Contexto. Alas habituados a defender mais à frente, como avançados / extremos, e pouco articulados com linha média. Num sistema de 442 tal deixará a equipa sempre em grande inferioridade no sector médio. Se não se apreender logo no primeiro momento o comportamento adequado, por forma a dar sucesso, mais difícil os atletas seguirem as ideias do treinador!

2a prioridade. Ataque posicional na zona de criação. Jogos de 6x5.

Contexto. Dar referências posicionais e preparar mobilidade para em posse no último terço desorganizar as estruturas defensivas adversárias.

3a prioridade. Organização defensiva na primeira fase. Pressing médio com avançados e linha média.

Contexto. Perceber como defender posicionalmente e pressionar construção adversária. Juntando os avançados à linha média que previamente adquiriu os comportamentos posicionais adequados. Após recuperação também já ligam com as saídas rápidas ou com o ataque posicional no último terço, anteriormente treinado.

4a prioridade. Ataque posicional. Construção. 

Contexto. Depois de se trabalhar ofensivamente no meio campo ofensivo, a importância de ligar as fases, para que se chegue lá, mesmo partindo de trás e não apenas após as recuperações altas.

Capacidades condicionais e técnicas integradas naquilo que são os objectivos primordiais de cada exercício. O objectivo táctico por forma a chegar rapidamente ao modelo.

9 comentários:

MM disse...

Maldini,

Completamente a leste do tópico, quão maravilhoso Mourinho e Guardiola novamente no mesmo campeonato em clubes da mesma cidade. Motivação para ver não faltará. E ainda a leste do tópico mas menos e correndo o risco de estar desactualizado nalguma coisa, pela primeiríssima vez na vida desejarei a vitória de outra equipa em competições onde o Sporting também participa. É muito grave? (Daqui a uns meses aparecerá alguém a gritar "Ah! ah! vejam todos ele até deseja as derrotas do Sporting").

Um grande abraço.

PT disse...

Podes dar exemplos de como treinar a 2a prioridade?

Blessing disse...

PT, "jogos de 6x5", com o feedback não é exemplo suficiente?

Paolo Maldini disse...

ahahahah MM. Depois falamos fora daqui.

estou doido para que comece a premier!!!!

Interior-Direito disse...

Só para vos chamar para este texto sobre o futebol de rua, um tema que vocês abordam com muita regularidade: http://observador.pt/especiais/aqui-ha-renatos-os-miudos-que-ainda-jogam-futebol-na-rua/

E uma frase de um miúdo que diz muito: “Eu jogava no [Águias da] Musgueira. Mas deixei o clube por causa do treinador, que passava a vida a reclamar comigo e eu não gosto que reclamem comigo por tudo e por nada.” Preferes a rua ao clube, é isso? “Claro. Tu aprendes mais em cinco minutos na rua do que num treino de uma hora. O treino é sempre a mesma coisa: corres, fazes uma peladinha, alongas. Aqui, não. Aqui não há regras. Estás a jogar a tarde toda se for preciso. E é aqui, na rua, que aprendes tudo: a fintar, a rematar, a ter raça. Sobretudo a ter raça. O Renato tem a raça que tem porque começou na rua.”

Vasco disse...

Boas, em primeiro lugar parabéns pelo blog. Comecei a acompanhar desde que assisti a uma palestra do mister Pedro Bouças na Escola Superior de Desporto de Rio Maior e identifiquei-me de imediato com as suas ideias, fui procurar no google mais acerca dele e descobri esta maravilha. Sou também um defensor da partilha de conhecimento entre treinadores e é a falar com treinadores que aprendo mais.
Quanto à questão do post, gostaria de partilhar a minha visão acerca do treino e saber as vossas opiniões:
O meu processo parte do princípio que o treino serve para ajudar os jogadores a encontrar respostas às situações às quais não conseguem encontrar durante o jogo, onde mais têm dificuldade, conseguindo isso através da criação de jogos/exercícios no tempo de treino onde apareçam frequentemente esse tipo de situações. Então o que faço é inicialmente pô-los a jogar para poder identificar problemas e identificar possíveis causas para poder depois então criar exercícios onde apareçam com maior predominância esse tipo de situações. Basicamente é isto: Jogar - Procurar problemas - Criar situações onde esses problemas apareçam muitas vezes - Ajudar os jogadores através de feedback a encontrar soluções (não indicando soluções, gosto que sejam os jogadores a encontrar as suas soluções).

Obrigado pela vossa atenção,
Vasco

Paolo Maldini disse...

Vasco, mt obrigado pelas palavras! Estou um pc curto de tempo para responder agora... mas voltaremos a falar!

Blog de Portugal disse...

Blessing, mas podes dar uns exemplos da 2ª prioridade??

Para já, como defines a zona de criação?

Que tipo de referências posicionais pretendes usar?

Como ligas essa criação com a posse no último terço (que deduzo que seja de definição, para então criar a tal situação de finalização), com a mobilidade?

Desde já agradeço.

Blessing disse...

Digo ao jogador. Quando a bola entra no jogador X nas condições Y tu fazes Z. Se não entrar tu fazes W. Se entrar, mas sem ser nas condições Y tu fazes V. 6x5 é sempre criação se a equipa em superioridade tiver os jogadores que interessam mais nessa fase do processo ofensivo.